09/08/2018 - Deputada Márcia Maia apresenta Projeto de Lei que proíbe o uso de canudos plásticos em estabelecimentos do estado




O aparentemente inofensivo canudo de plástico, usado corriqueiramente nas bebidas, tem se mostrado uma verdadeira praga ambiental, bem como outros diversos resíduos plásticos. Segundo dados da ONG Ocean Conservancy, sediada nos Estados Unidos, os canudos foram o 7º item mais coletado nos oceanos em todo o mundo no ano passado. Feito geralmente de poliestireno ou polipropileno, o canudinho pode ser reciclado, mas como é muito leve, frequentemente é descartado no lixo comum. Sua vida útil é estimada em 4 minutos e leva aproximadamente 400 anos para se decompor na natureza.

Atualmente 90% da poluição marinha é plástica. E assim como outros detritos, canudos acabam no mar, engolidos por animais e liberando toxinas nas águas dos oceanos. A cada ano, 1 milhão de aves marinhas e 100 mil mamíferos e tartarugas perdem a vida ao se enroscarem ou ingerirem plástico.

No Brasil, a cidade do Rio de Janeiro é a primeira capital brasileira a banir o uso do material em quiosques, bares e restaurantes. O prefeito da cidade, Marcelo Crivella, sancionou o projeto de lei que proíbe a distribuição de canudinhos plásticos em estabelecimentos alimentícios. Iniciativa semelhante a do Rio de Janeiro tramita na Câmara Municipal de Natal.

Com conhecimento do problema que os canudos trazem ao meio ambiente a Abrasel apoia a ação e propõe aos associados que procurem alternativas ao uso desse utensilio. Existem no mercado hoje diversos materiais que são sustentáveis e uma das alternativas é o canudo biodegradável.