rn.abra

Dados da pesquisa do IPDC da Fecomércio foram apresentados em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 8

Com uma aprovação que vem crescendo a cada ano, e que em 2019 atingiu a nota de média de 8,81 (contra 8,65 em 2018), a programação do Carnaval de Natal, atraiu um público de quase 600 mil pessoas, 4,16% a mais do que no Carnaval de 2018 (quando 573 mil pessoas participaram da festa, segundo dados da Prefeitura de Natal). São pessoas que em sua maioria (95,6%) recomendaria o evento a outras pessoas, e que pretendem participar em outras edições (75,7%).

A festa gerou uma movimentação financeira mais de R$ 71,5 milhões, montante 16,42% maior do que o movimentado no carnaval do ano passado, que foi de R$ 61,4 milhões. Além disso, o valor movimentado representa nada menos que 12 vezes o valor investido pelo Poder Público Municipal para viabilizar o evento (que foi de R$ 6 milhões).

Os dados constam na pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio da Fecomércio RN (IPDC/Fecomércio RN), que traçou o perfil do folião e do comerciante que participou do Carnaval em Natal 2019, e que foram apresentados pelo presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Fernandes de Queiroz, ao prefeito de Natal, Àlvaro Dias, em entrevista coletiva que aconteceu nesta segunda-feira, 8, na sede da Federação.

Também participaram do evento os secretários municipais de Turismo, Fernando Fernandes; de Cultura, Dácio Galvão; de Comunicação, Héverton Freitas, além da imprensa e diretores do Sistema Fecomércio. Este é o 5º ano consecutivo que o IPDC da Fecomércio RN realiza esta pesquisa, e os questionários foram aplicados entre 800 foliões e 300 comerciantes, entre os dias 15 de fevereiro e 05 de março, nos seis polos onde houve programação, inclusive nas prévias.

“Este é um estudo que, a nosso ver, é um importante balizador tanto para o poder público quanto para o empresariado natalense no que diz respeito às estratégias para otimizar os resultados deste evento como impulsionador do nosso turismo e, por consequência, da nossa economia. Os resultados financeiros do evento, ano a ano, comprovam o acerto da Prefeitura de Natal em investir recursos próprios e, em sua maioria, frutos de parceria com a iniciativa privada, para o seu fortalecimento ”, afirmou o presidente Marcelo Queiroz.

Para o prefeito de Natal, Àlvaro Dias, "O Carnaval de Natal é o exemplo de um evento bem-sucedido que a Prefeitura tem realizado, mas que ao mesmo tempo estamos melhorando a cada ano. E a Fecomércio tem sido uma grande parceira nossa. Além do Carnaval, temos o Natal em Natal, e a partir deste ano estamos instituindo também o São João, para consolidar mais um evento para atrair turistas para a nossa cidade", comemorou.

Sobre o perfil dos participantes do Carnaval de Natal 2019, a pesquisa constatou que 50,5% dos foliões eram homens e 49,5% eram mulheres. Perfil bastante semelhante ao ano passado, quando 50,4% eram homens e 49,6% eram mulheres. Com relação à faixa etária dos foliões, 27,1% tinha entre 25 e 34 anos, mas o que se percebeu na pesquisa deste ano foi o aumento do público nas faixas etárias mais altas, notadamente entre 45 e 59 anos, que subiu de 22,8% em 2018 para 26,1% em 2019; e acima dos 60 anos, que passou de 4,8% para 8% em 2019.

De todos os foliões pesquisados, 55,1% possuía nível superior incompleto ou completo (contra 59,3% de 2018); 41,8% estavam acompanhados da família (contra 45,4% no ano passado); e 69,8% tinham renda familiar de até R$ 7 mil (em 2018 as pessoas com renda familiar de até R$ 7 mil eram 73,5%). Um detalhe para as pessoas com renda acima de R$ 10 mil, que aumentou de 11% para 15,3%.

Em 2019, 78,4% dos participantes eram do Rio Grande do Norte e 21,6% eram turistas, praticamente o mesmo percentual obtido pelo IPDC na pesquisa de 2018, quando 78,3% dos participantes eram nativos e 21,7% eram turistas. Entre os nativos, 70,4% eram natalenses. Os demais norte-riograndenses que participaram da festa vieram de Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Mossoró, Macaíba, Monte Alegre, Bom Jesus, Ceará Mirim, Currais Novos, Nova Cruz, Macau, entre outros municípios.

Já os turistas que visitaram o Carnaval de Natal vieram principalmente do Pernambuco (8%). Este número, inclusive, no ano passado era de 4,4%. São Paulo (3,2%); Rio de Janeiro (1,9%); Ceará (1,6%); Paraíba (1,5%); Bahia (1,4%); Minas Gerais (0,6%); Rio Grande do Sul (1,3%); Distrito Federal (1,1%); Sergipe (0,5%) e Alagoas (0,4%) foram outros estados que enviaram turistas para o Carnaval de Natal.

Com relação à frequência no evento, as pessoas pesquisadas responderam que pretendiam prestigiar a festa em pelo menos três dias. Questionados se já tinham ido ao Carnaval de Natal outras vezes, sete em cada dez pessoas (71%) afirmaram que sim. As atrações mais frequentadas foram os shows musicais (86,7%), os blocos de rua (39,7%); e as praias da cidade (23,6%). As formas de deslocamento mais citadas pelos foliões foram o transporte privado por aplicativo (41,2%); o carro particular (34,8%); os ônibus (14,1%); deslocamento a pé (10%); o táxi (2,6%); carros alugados (1,9%).

De acordo com os dados verificados na pesquisa, o gasto médio individual por dia dos nativos, no Carnaval de Natal 2019, foi de R$ 68,56. Em 2018, o valor calculado tinha sido de R$ 65,17. Já os gastos individuais dos turistas foram estimados em R$ 120,64 em 2019, contra R$ 118,73 em 2018. Na divisão por segmento, os percentuais de gastos individuais diários dos foliões locais foram direcionados para alimentação/bebidas (55,3%); transporte (16,5%); diversão (10,2%) e compras (18%). Já entre os turistas, o gasto médio individual diário foi de R$ 120,64, gastos com alimentação/bebidas (53,9%); transporte local (11,9%); diversão (13,8%); e compras (20,3%).

Comerciantes avaliam de forma positiva o carnaval em seus negócios

Se o carnaval é muito esperado pelos foliões, entre os comerciantes não é diferente. De acordo com o IPDC, para 86,7% dos comerciantes entrevistados, o carnaval tem um impacto positivo nos negócios, número maior do que o obtido em 2018, quando 77,4% dos entrevistados consideraram o carnaval bom para sua atividade. 80,3% dos comerciantes consideraram o movimento de público como bom ou muito bom durante os dias de festa, e 46,3% confirmaram que as vendas ficariam dentro do esperado (29,7% afirmaram que as vendas ficariam acima do esperado).

Para conseguir atender à demanda gerada pelo movimento mais intenso durante o carnaval, 22,7% dos comerciantes entrevistados precisaram contratar, em média, dois funcionários extras. Estes receberam como pagamento o valor de R$ 75,90 por dia de trabalho. Os negócios funcionaram, em média, seis dias, e obtiveram faturamento médio diário de R$ 1.504,16.

Perfil

Entre os comerciantes ouvidos, 66,7% eram homens; 55,7% tinham entre 25 e 44 anos; 44% tinham ensino fundamental; 48,7% eram casados; 50% disseram ser autônomos e 64,7% disseram ser informais. Entre os formais, 22,3% eram microempreendedores individuais. Com relação ao segmento, 32,9% pertenciam ao segmento de bebidas; 19,4% eram lanchonetes; 12,9% eram bares e restaurantes; 6,6% eram lojas de conveniência; entre outros.

Sobre o local onde se instalaram durante o evento, verificou-se que 37% estavam no polo Ponta Negra; 24% no largo do Atheneu/Petrópolis; 14% no Centro Histórico; 10% na Redinha; 8,3% na Campos Sales/Afonso Pena/Rocas/Ribeira; e, 6,7% no polo Nazaré.

As íntegras das pesquisas estão disponíveis no site da Fecomércio RN (fecomerciorn.com.br/pesquisas).

Comentários